PT | EN

Tech Trusted
Advisor

PT | EN

Tech Trusted
Advisor

PT | EN

Quem “decide” sobre tecnologia?

A performance organizacional tem íntima relação com a agilidade e assertividade com que as decisões são tomadas. Isso é especialmente válido para a área de tecnologia.

Decisões quanto a comprar ou desenvolver software, atribuições de responsabilidades, cortes de custos ou investimentos são apenas alguns dos tópicos importantes para toda a organização. Entretanto, são especialmente críticos para a área de tecnologia em um mundo cada vez mais VUCA.

Não é raro que decisões desastrosas quanto à tecnologia sejam tomadas por gente com ilusão de competência e autoridade irresponsável. O problema, embora óbvio, nem sempre é percebido: a ausência de uma matriz decisória eficaz.

Aspecto crítico e determinante para a performance organizacional, a matriz decisória delimita autoridade e estabelece accountability. Mal definida, faz com que as pessoas erradas tomem decisões importantes e incentiva uma “caça às bruxas” sempre que algo dá errado.

Quando a matriz decisória não está claramente definida, dá falsa impressão de que todo mundo pode decidir qualquer coisa quando, na verdade, ninguém decide nada. Se está concentrada na alta gestão, converte-a em gargalo. Por outro lado, quando está diluída e descentralizada, gera redundâncias e ineficiências. Por isso, para o bem da performance organizacional, precisa ser responsavelmente balanceada.

É papel da alta gestão de tecnologia explicitar a matriz de decisão e conseguir o patrocínio executivo para que as pessoas certas, nos lugares certos, tomem as decisões relacionadas aos aspectos tecnológicos do negócio. Ao C-Level da área, devem caber as decisões quanto aos direcionadores e motivadores estratégicos. Já a gestão da rotina deve ser diluída de maneira ponderada nos times, conforme a cultura da empresa.

Decisões relacionadas à tecnologia impactam o negócio e obviamente devem ser compartilhadas, sempre que possível. Entretanto, não devem ser tomadas à revelia sem ponderação e orquestração de especialistas, pois decisões ruins tendem a custar cada vez mais caro.

O custo do amadorismo, sobretudo para as decisões importantes, vai muito além da perda da agilidade e da assertividade. Na prática, não raro, coloca a continuidade em risco – mesmo para organizações sólidas.

Compartilhe este insight:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site é protegido por reCAPTCHA e Google – Política de Privacidade e Termos de serviço.

ElemarJúnior

Sou fundador e CEO da EximiaCo e atuo como tech trusted advisor ajudando diversas empresas a gerar mais resultados através da tecnologia.

Insights e provocações sobre tecnologia e negócios. Conteúdo fora do “lugar comum” para quem gosta de pensar “fora da caixa”.

ElemarJúnior

Sou fundador e CEO da EximiaCo e atuo como tech trusted advisor ajudando diversas empresas a gerar mais resultados através da tecnologia.

Mais insights para o seu negócio

Veja mais alguns estudos e reflexões que podem gerar alguns insights para o seu negócio: