Por que “Não somos uma empresa de tecnologia!” é uma afirmação ingênua e perigosa?

Em nossas consultorias, não é raro encontrar executivos, afirmando: “Não somos uma empresa de tecnologia!”. Geralmente, essa afirmação surge em discussões sobre investimentos ou quando processos estão sendo revisados e ajustados. Trata-se de uma afirmação ingênua e perigosa.

Comecemos pela ingenuidade! 

Qualquer atividade, em qualquer organização, de qualquer ramo ou segmento, demanda, em maior ou menor escala, a utilização de sistemas de informação. Logo, excelência tecnológica, mesmo para empresas onde a receita não seja proveniente dela, é uma característica fundamental. 

Independente de uma empresa ser de tecnologia ou não, recursos tecnológicos podem ser usados para maximizar e materializar resultados, desde que usados do jeito certo. Isso não significa adotar “a melhor tecnologia de todos os tempos da última semana”, mas, no lugar disso, encurtar caminhos com agilidade, cultura lean e DevOps. O objetivo deve ser preservar a eficiência, frente às mudanças de escala, ao longo do tempo. 

Benefícios como automações, integrações com fornecedores e parceiros, comunicação direta com clientes são apenas algumas das características de empresas bem sucedidas.  Todas essas capacidades, para serem eficazes e eficientes, dependem do uso correto de recursos tecnológicos.

Empresas que não dão atenção à competência tecnológica, mesmo não sendo de tecnologia, acabam sempre às voltas com soluções legadas, iniciando projetos gigantes de atualização tecnológica que geralmente falham. No fim, mesmo os sucessos eventuais acabam ofuscados por gastos difíceis de justificar, principalmente porque muitas das soluções desenvolvidas já nascem tão defasadas quanto aquelas que estão substituindo.

A afirmação “Não somos uma empresa de tecnologia” favorece a crença de que competências tecnológicas são menos importantes, exatamente em um tempo onde o digital está revolucionando a competição e, por isso, mesmo ignorado, invade a agenda de discussões.

Avancemos, agora, para o perigo! 

Empresas que desprezam a tecnologia, tratando-a como tema periférico, acabam não percebendo oportunidades de construir vantagens competitivas duradouras. Ou ainda, implementar otimizações em processos e atividades que refletem em melhor desempenho operacional.

Boa parte da “disrupção” que encontramos no mercado é habilitada pelo desacoplamento da cadeia de valor do cliente. Isso é possível graças ao uso de tecnologia. Foi assim com a indústria do cinema, pelos serviços de streaming. Tem sido assim com serviços bancários, seguros, transporte, varejo, habitação e muito mais.

A excelência tecnológica que tem fomentado inovações em modelos de negócios, mercadológicas ou em processos. O uso da tecnologia tem feito emergir novos players em mercados consolidados e, também, sucumbir empresas que eram aparentemente sólidas.

Terceirizar a competência tecnológica a fornecedores foi, e ainda é, um erro grosseiro que costuma custar muito caro. Algumas vezes, empresas saudáveis tornam-se “reféns” de fornecedores que praticam preços arbitrários, ou deixam de atender demandas urgentes. Outras vezes, acaba-se perdendo o compasso com mudanças de modelos de negócio que carecem de “intimidade digital”. 

“Não somos uma empresa de tecnologia” é uma afirmação forte e, cada vez mais, deslocada da realidade. Na medida em que a tecnologia se torna sufixo dispensável (marketing digital, RH digital, venda digital, educação digital, transformação digital) tal afirmação pode ser lida como “Não somos uma empresa”.

Se você faz parte do grupo de executivos que afirma, frequentemente, “Não somos uma empresa de tecnologia!”, cuidado! Eventualmente, a persistência nessa crença pode tornar você e sua empresa irremediavelmente obsoletos (e dispensáveis).

Compartilhe este insight:

Comentários

Participe deixando seu comentário sobre este artigo a seguir:

Subscribe
Notify of
0 Comentários
Feedbacks interativos
Ver todos os comentários

Este site é protegido por reCAPTCHA e Google – Política de Privacidade e Termos de serviço.

ElemarJúnior

Sou fundador e CEO da EximiaCo e atuo como tech trusted advisor ajudando diversas empresas a gerar mais resultados através da tecnologia.

Insights e provocações sobre tecnologia e negócios. Conteúdo fora do “lugar comum” para quem gosta de pensar “fora da caixa”.

ElemarJúnior

Sou fundador e CEO da EximiaCo e atuo como tech trusted advisor ajudando diversas empresas a gerar mais resultados através da tecnologia.

Mais insights para o seu negócio

Veja mais alguns estudos e reflexões que podem gerar alguns insights para o seu negócio:

20/04/2021

Três vetores para o crescimento exponencial

O ritmo da mudança, percebido por todos, nunca foi tão intenso. Novidades tecnológicas surgem todos os dias e tem ficado cada vez mais difícil identificar o que é presente e o...
20/04
2021
08/04/2021

“Não somos uma empresa de tecnologia”: afirmação ingênua e perigosa

Em nossas consultorias, não é raro encontrar executivos, afirmando: “Não somos uma empresa de tecnologia!”. Geralmente, essa afirmação surge em discussões sobre investimentos ou quando processos estão sendo revisados e...
08/04
2021
24/03/2021

Software: comprar ou “desenvolver em casa”

Grandes organizações, frequentemente, discutem sobre comprar software ou “desenvolver em casa” para suportar o negócio. Não raro, assumem grosseiramente que “comprar pronto” sempre custa mais barato e tem compensações mais...
24/03
2021
0
Quero saber a sua opinião, deixe seu comentáriox
()
x