O desafio da transformação ágil é maximizar a eficácia minimizando os custos da eficiência

Ser eficaz é fazer mais “coisas certas” que aumentam a produtividade. Ser eficiente é fazer as “coisas do jeito certo”. Logo, a eficiência e a eficácia significam fazer mais das coisas certas do jeito certo. Todos queremos ser mais eficientes e mais eficazes, mas, a busca ingênua por ambas características podem torná-las mutuamente incompatíveis.

Quem busca ser mais eficaz quer fazer mais coisas que entreguem valor. Quem busca ser mais eficiente, mitiga os riscos de fazer errado. Por isso, o eficaz tende a ser diligente na busca do “sim”, enquanto o eficiente costuma ter tendência teimosa de dizer “não”.

A eficiência, em escala, é obtida com alguma burocracia (calma, nem toda burocracia é “ruim”). Seja a partir do estabelecimento de processos, estruturas, regras ou normas, a intenção é criar uma “memória corporativa” da forma certa de fazer as coisas. Na medida apropriada, a preocupação com a eficiência é enabler para a eficácia. De maneira exagerada, entretanto, a eficiência é impeditiva.

Desenvolver eficiência – estabelecendo processos, estruturas, regras e normas – demanda “visão mais ampla” para delinear a melhor forma de fazer as coisas. Além disso, de nada adianta explicitar essa “memória corporativa” sem estabelecer mecanismos para “garantir” que ela seja considerada e respeitada. Disso resultam problemas!

Atividades direcionadas à eficácia são doing, focadas na geração de valor, e as direcionadas à eficiência são suportadas por watching, assegurando que valor está sendo gerado de maneira ótima. O custo da oportunidade de atividades watching é a realização de menos doing. Ou seja, ineficácia.

Reuniões para acompanhamento de resultados, atas de reunião e todos os demais documentos que geram “evidências”, auditorias de conformidade à processos, todas as atividades de QA, são todas tarefas “watching”. Daily meetings, retrospectivas, testes de qualquer espécie (automatizados ou não), também são (embora mais baratas). Tarefas “watching” tem necessidade inquestionável, mas é importante que tenhamos consciência de que elas são ofensivas ao resultado.

Sob a perspectiva financeira, a eficácia pode ser materializada pelo racional dos custos das tarefas “doing” e das tarefas “watching“.

O aumento da eficácia ocorre tanto pela ampliação dos investimentos em doing quanto pelo “desinvestimento” em tarefas watching. Achar formas mais baratas, ainda responsáveis, de controle e governança é caminho para a eficácia nos negócios.

Eficácia ineficiente gera crescimento insustentável. Ineficiência eficaz impede que o crescimento aconteça. Logo, eficácia e eficiência devem coexistir, porém de maneira saudável.

Métodos tradicionais e antigos de governança em TI, como, por exemplo, os preconizados pelos modelos de maturidade, tão difundidos na década de 1990 e início dos anos 2000, são exemplares de watching concorrendo com o doing. A ênfase desses modelos era a eficiência e não a eficácia. Por isso, foram e estão sendo “refinados e contestados” por práticas ágeis. 

Quanto maior a empresa ou os times, maior a tentação (e a necessidade, inclusive legal) de gastar mais com watching, tentando assegurar a eficiência, pois, afinal, mais graves são os riscos (veja a atuação dos conselhos administrativos). Estabelecer e fiscalizar orçamento da maneira tradicional, por exemplo, é um “mal necessário” em organizações maiores, mas, é exemplo retumbante de tempo gasto fazendo coisas que não são “doing” e, por isso, antítese do espírito ágil e carentes de revisão em método. 

Observar a relação entre dinheiro gasto em doing e em watching, pelo menos preservando a proporcionalidade na medida em que acontece o crescimento deve fazer parte da gestão da rotina. Transformação ágil demanda bem mais que isso! A transformação do ágil deve atacar agressivamente a ineficácia reduzindo o custo da eficiência de forma marcante.

Empresas que dão pouca ênfase à agilidade crescem impulsionando a redução da eficácia, ferindo o “lucro” e, com recorrência, a competitividade. O caminho natural do crescimento sem agilidade, não havendo esforço deliberado em direção contrária, é a ineficácia muitas vezes irremediável.

Entregas menores, mais frequentes, automatizadas, gerando valor – ou seja, ágil e lean suportadas por DevOps – maximizam a eficácia por combaterem os custos da eficiência. São ferramentas transformadoras de resultados que, embora difíceis por afetar a cultura, conseguem patrocínio executivo fácil.

A eficácia presume o atendimento de resultados e, para isso, pede por eficiência – mas, ela precisa ser na medida certa, implantada da forma certa. A transformação ágil não abre mão da eficiência, mas entrega formas racionais para que ela seja obtida.

 

Compartilhe este insight:

Comentários

Participe deixando seu comentário sobre este artigo a seguir:

Subscribe
Notify of
0 Comentários
Feedbacks interativos
Ver todos os comentários

Este site é protegido por reCAPTCHA e Google – Política de Privacidade e Termos de serviço.

ElemarJúnior

Sou fundador e CEO da EximiaCo e atuo como tech trusted advisor ajudando diversas empresas a gerar mais resultados através da tecnologia.

Insights e provocações sobre tecnologia e negócios. Conteúdo fora do “lugar comum” para quem gosta de pensar “fora da caixa”.

ElemarJúnior

Sou fundador e CEO da EximiaCo e atuo como tech trusted advisor ajudando diversas empresas a gerar mais resultados através da tecnologia.

Mais insights para o seu negócio

Veja mais alguns estudos e reflexões que podem gerar alguns insights para o seu negócio:

20/04/2021

Três vetores para o crescimento exponencial

O ritmo da mudança, percebido por todos, nunca foi tão intenso. Novidades tecnológicas surgem todos os dias e tem ficado cada vez mais difícil identificar o que é presente e o...
20/04
2021
08/04/2021

“Não somos uma empresa de tecnologia”: afirmação ingênua e perigosa

Em nossas consultorias, não é raro encontrar executivos, afirmando: “Não somos uma empresa de tecnologia!”. Geralmente, essa afirmação surge em discussões sobre investimentos ou quando processos estão sendo revisados e...
08/04
2021
24/03/2021

Software: comprar ou “desenvolver em casa”

Grandes organizações, frequentemente, discutem sobre comprar software ou “desenvolver em casa” para suportar o negócio. Não raro, assumem grosseiramente que “comprar pronto” sempre custa mais barato e tem compensações mais...
24/03
2021
0
Quero saber a sua opinião, deixe seu comentáriox
()
x