“Nose in, fingers out” em tempos de transformação digital

Crescer não é fácil. Fazer isso com agilidade é um desafio ainda maior. Mesmo no nível operacional, atividades simples acabam se tornando mais complexas na medida em que a escala chega. Esse aumento da complexidade tem comprometido, inclusive, as vantagens de barganha obtidas graças ao volume. A consequência é a limitação da capacidade das organizações de crescer e materializar resultados potenciais. Na prática, é difícil melhorar a eficácia sem incrementar o custo da eficiência, o que acaba impactando na competitividade. O remédio, ainda amargo para muitos, é recorrer a tecnologia. 

Empresas como a Amazon, por exemplo, ganham destaque por terem máquinas executando atividades que, até pouco tempo, eram restritas a humanos. Seja recomendando livros, identificando padrões de consumo em todos os departamentos para up-selling, a “loja de tudo” acumula pequenas vantagens, usando o poder do digital, em toda a cadeia de valor.

Inteligências artificiais, com diferentes níveis de sofisticação, têm redefinido a competição, viabilizando modelos operacionais muito mais eficientes e escaláveis do que aqueles sustentados apenas pela inteligência humana. Conferências de estoque, antes tediosas e onerosas, que eram anuais, agora são executadas várias vezes por dia, em minutos, graças a utilização de sensores e equipamentos inteligentes e conectados. Serviços de atendimento a consumidores, o calcanhar de aquiles de muitas organizações, têm dado saltos de qualidade e personalização graças a adoção de automações que, de tão funcionais, passam despercebidas. A abundância de cenários é tamanha que só não são percebidas por alienação ou irresponsabilidade.

Tecnologia já é competência essencial em qualquer negócio, esse é um fato que já não pode ser negado. Mais do que fundamento para a execução, não é raro que a tecnologia, em si, ganhe protagonismo estratégico. Em nenhum contexto, porém, é apenas aspecto operacional que pode receber atenção secundária. Também não se pode ignorar que a tecnologia também tem impactado, cada vez mais, a forma como pensamos a estratégia – afinal, há abundância sem precedentes de dados e mecanismos de análise capazes de potencializar insights.

Nesse contexto, a prática do “Nose In, Fingers Out” – mantra de conselheiros e profissionais de governança que dita que deve-se focar na estratégia sem “meter as mãos” na execução – estará equivocada se considerar a tecnologia como um tema operacional (fingers out), ou ainda como tema “menos” estratégico relegado ao C-Level. Em lugar disso, é urgente a elaboração de estratégias mais consistentes para a adoção de tecnologias, ou baseadas nela, para o aprimoramento dos modelos operacionais vigentes e para a formulação de novos modelos de negócio. Tecnologia deve ter protagonismo nas agendas e nas atas das reuniões de conselho. 

Conselheiros precisam desenvolver, de maneira urgente, intimidade com temas tecnológicos. Nuvem é muito mais do que despesa e custo. Inteligência artificial não é futurismo nem está restrita a startups. Agilidade não é aversão a governança. Dispositivos conectados e inteligentes estão transformando a indústria e a forma como produtos são desenvolvidos e produzidos.

Jack Welch já alertava no início da década de 2000 que empresa que não aprende a mudar rápido, morre! Essa habilidade e essa realidade, hoje, é acentuada pelo uso de recursos tecnológicos. Por isso, já é mais que passado da hora dos conselhos “meterem o nariz” no tema. Daqui a pouco, será tarde demais!

Compartilhe este insight:

Comentários

Participe deixando seu comentário sobre este vídeo a seguir:

Subscribe
Notify of
0 Comentários
Feedbacks interativos
Ver todos os comentários

Este site é protegido por reCAPTCHA e Google – Política de Privacidade e Termos de serviço.

ElemarJúnior

Sou fundador e CEO da EximiaCo e atuo como tech trusted advisor ajudando diversas empresas a gerar mais resultados através da tecnologia.

Insights e provocações sobre tecnologia e negócios. Conteúdo fora do “lugar comum” para quem gosta de pensar “fora da caixa”.

ElemarJúnior

Sou fundador e CEO da EximiaCo e atuo como tech trusted advisor ajudando diversas empresas a gerar mais resultados através da tecnologia.

Mais insights para o seu negócio

Veja mais alguns estudos e reflexões que podem gerar insights para conselheiros e interessados em governança:

TECH

&

BIZ

-   Insights e provocações sobre tecnologia e negócios   -   

0
Quero saber a sua opinião, deixe seu comentáriox
()
x